Buscar
 

 More From Region

 

População

A característica mais notável da população de Israel é sua alta diversidade. Apesar da principal divisão dos habitantes do País ser entre Judeus (80%) e Árabes (20%), existem muitas outras subdivisões. Os Judeus, por exemplo, estão sub-divididos entre religiosos e laicos, sendo que os últimos incluem várias comunidades de imigrantes que preservam sua cultura. Da mesma forma, os Árabes dividem-se em Muçulmanos, Cristãos e Drusos.

Nesta Página:

Convivencia

População - Informações Gerais


O Estado de Israel possui em torno de 6.9 milhões de habitantes.

 

A característica mais notável da população de Israel é sua alta diversidade. Apesar da principal divisão dos habitantes do País ser entre Judeus (80%) e Árabes (20%), existem muitas outras subdivisões. Os Judeus, por exemplo, estão sub-divididos entre religiosos e laicos, sendo que os últimos incluem várias comunidades de imigrantes que preservam sua cultura. Da mesma forma, os Árabes dividem-se em Muçulmanos, Cristãos e Drusos.

Ao lado destes grupos, Israel possui pequenos grupos étnicos religiosos como os Circassianos e os Samaritanos e pequenas comunidades Cristãs da Europa como os da Comunidade Alemã Beit El em Zikhron Ya´akov.

 

Outra grande característica da população Israelense é sua alta taxa de crescimento, que é atípica em países desenvolvidos. Desde a fundação do Estado, a população aumentou quase dez vezes seu numero inicial, principalmente devido à imigração de Judeus de todas as partes do mundo. Hoje, Israel é um país com grande densidade populacional, apesar de haver grandes regiões pouco povoadas. .A população de Israel é jovem (média etária é 28,3 anos), sua mortalidade infantil é baixa (5,8 mortes a cada 1.000 nascimentos), e a expectativa de vida é alta (78,7 anos).

  

A População Judaica

 

O Estado de Israel foi fundado em 1948, no auge da Guerra da Independência. Foi a expressão culminante de um longo processo durante o qual o povo Judeu havia começado a retornar à sua Pátria – processo que continuou depois de sua fundação. De fato, desde a sua fundação mais de 2.7 milhões de Judeus imigraram para Israel orinundos de aproximadamente 130 Países. Essas ondas contínuas de imigração deixaram suas marcas na política e na sociedade do País.

 

O crescimento da população Judaica em Israel não tem sido uniforme, mais propriamente, ocorreu em quatro grandes ondas de Aliya (Aliya – ascensão em Hebraico – é o nome usado para referir-se à imigração de Judeus para Israel). Entre os anos de 1948-1951, Israel absorveu em torno de 700.000 imigrantes, tendo sua população dobrado como conseqüência.

No meio da década de 50, em torno de 170.000 imigrantes chegaram a Israel vindos do Norte da África e Romênia. No início da década de 60, em torno de 180.000 imigrantes chegaram do Norte da África. Nos anos 90 em torno de 900.000 imigrantes chegaram da antiga União Soviética e em torno de 60.000 imigrantes da Etiópia foram absorvidos por Israel.

 

Em função da abundância dos países de origem, a população Judaica de Israel é muito variada. Desde a fundação do Estado, os governantes de Israel adotaram a política do “crisol” (ambiente no qual se mesclam idéias diferentes e elementos de origens variadas obtendo harmonia). Contudo, muitos grupos de imigrantes preservaram suas tradições em vários aspectos. Ao mesmo tempo, ao longo dos anos, a porcentagem de Israelenses nativos (Sabra) aumentou gradualmente, e hoje eles representam a maioria da população Judaica (65%). Este processo, e em particular a taxa de aumento de casamentos entre membros de várias comunidades e a crescente influência da cultura ocidental, causaram uma ruptura gradual nas diferenças entre as comunidades Judaicas de Israel. Além das sub-divisões entre as comunidades, os Judeus em Israel também são divididos de acordo com seu nível de observância religiosa. Ultra-Ortodoxos (12%), religiosos (10%), tradicionais (35%) e laicos (43%).

  

A População Não-Judaica


A grande minoria não judaica é Árabe, representando em torno de um quinto da população do País. A maioria dos Árabes de Israel vive em assentamentos na Galiléia, na Planície Costeira Oriental e no norte do Neguev. Existem também grandes concentrações  de Árabes em uma série de cidades como: Haifa, Jerusalém, Acre e Ramla.

A grande maioria dos Árabes em Israel são Muçulmanos Sunitas, com apenas um décimo sendo Cristã (a maioria membros da Igreja Grega –Ortodoxa). Entre os Árabes de Israel estão os Beduínos, Árabes Muçulmanos cujos antepassados viveram como nômades. Com o tempo, os Beduínos mudaram-se para assentamentos permanentes principalmente no norte do Neguev, mas também na Galiléia. Os Drusos, embora sejam uma comunidade religiosa distinta também são Árabes.

 

Israel possui mais grupos étnicos e religiosos.

Abaixo seguem os mais importantes:

 

Drusos: Membros de uma religião que se desenvolveu a partir do Islamismo Xiita no século XI, e cujos adeptos estão concentrados na Síria, no Líbano e em Israel.Em torno de 115.000 Druzos vivem atualmente em Israel, em 17 assentamentos no Monte Carmel, na Galiléia e nas Colinas do Golan.

 

Circassianos: Membros do Islamismo,são um povo não Árabe que veio da Região do Cáucaso. Quando seu País foi capturado pelos Russos no Século XIX, muitos Circassianos imigraram para o Império Otomano, e alguns vieram para a Terra de Israel, onde se estabeleceram nas vilas de Rikhaniya e Kafr Kama.

 

Samaritanos: Membros de  uma comunidade étnica-religiosa cuja religião é muito próxima ao Judaísmo. A comunidade Samaritana desenvolveu-se após a conquista Assíria sobre o Reino de Israel, quando membros do Reino de Israel que permaneceram na região associaram-se a povos exilados pelos reis Assírios. Na antiguidade, a comunidade era grande e forte. Entretanto, rebeliões sem sucesso durante o Período Bizantino, juntamente com a pressão exercida pelos Muçulmanos sobre os Samaritanos para que convertam-se ao Islamismo, reduziu seu número gradualmente. Agora permanecem lá em torno de 700 Samaritanos, metade dos quais vivem em Nablus (Shkhem) e metade em Holon.


A Comunidade Israelense

Israel é um País densamente povoado (em torno de 300 pessoas por quilômetro quadrado), e a maioria de seus habitantes vive nas grandes cidades e pequenas cidades. Contudo a distribuição da população não é uniforme. A maioria está concentrada ao longo da Planície Costeira, enquanto que o Neguev, que ocupa mais da metade da área total do País, é pouco povoado.

 

Em torno de 91% dos habitantes de Israel vivem em assentamentos urbanos com uma população de mais de 2.000 pessoas. Em torno de um quarto vive em uma das quatro maiores cidades de Israel (Jerusalém, Tel Aviv, Haifa, Rishon-le-Tsiyon). A maior cidade de Israel é Jerusalém, com uma população em torno de 706.000 pessoas. Cerca de 376.000 pessoas vivem em Tel Aviv. Entretanto, mais de 1.6 milhões de pessoas vivem em sua área metropolitana, que se estende desde Herzliya ao norte até Rishon le Tsiyon ao sul.

 

O início do Século XX viu o desenvolvimento do Kibutz e do Moshav, dois tipos de assentamentos agrícolas específicos de Israel. O Kibutz é uma comunidade baseada em propriedade comunitária da terra, dos meios de produção e de consumo. O Moshav é uma vila agrícola que combina elementos da propriedade privada com elementos de uma cooperativa como, por exemplo, ajuda mútua, compras internas e comercialização comunitárias. Em 1990, seguindo mudanças sociais em Israel e uma crise na agricultura, muitos dos princípios comunitários se desgastaram, e a maioria dos kibutzim passou por grandes reformas e experimentaram diferentes graus de privatização.

 

Ao longo dos anos, os tipos de assentamentos, com nomes singulares fixaram-se em Israel. A Moshava foi o início típico de um novo assentamento Judaico em Israel. Moshavot, como são chamados no plural em Hebraico, eram assentamentos agrícolas de pequenos agricultores com meios privados de produção.

Durante os primeiros anos de sua existência, Israel estabeleceu assentamentos urbanos chamados de  cidades em desenvolvimento. Desenhados de forma a prover soluções habitacionais para novos imigrantes e implementar a política da dispersão da população dentro do território. A maioria dessas cidades em desenvolvimento fixou-se longe dos centros urbanos do País.


Idiomas

 

Os idiomas oficiais de Israel são o hebraico e o Árabe. O Inglês é o idioma principal para o propósito de relações externas. A maioria dos Israelenses fala Inglês, e a maioria das placas de rua e de sinalização também é em Inglês.
 

O idioma mais comum é o Hebraico, que é falado por aproximadamente seis milhões de pessoas. Em seguida vem o Árabe, que é falado por mais de um milhão de pessoas. Sendo Israel uma terra de imigrantes, idiomas adicionais são falados entre as diversas comunidades de imigrantes, sendo outros idiomas falados, por exemplo: o Russo (em torno de 900.000 falantes) e o Yiddish (200.000 falantes).


 

 

 Sites & Attractions

 
The purpose of this site is to preserve the Palmakh's heritage and to pass it on. There...
A regional museum for nature, Israeli geography and archaeology. A range of exhibitions...
Originally, the house of Sir Laurence Oliphant, an English Lover of Zion, serves today ...
Museum in the artists' village at Ein Hod in the center of the Carmel, exhibits works o...
Artificial park at Ma'alot Tarshikha. Lake offers pedal boats and kayaks. Site includes...
 

 Accommodations

 
The veteran hotel is located in the center of Jerusalem, in close proximity to the city...
160 rooms of varying standards--regular, business and suites. The hotel faces the marin...
A small and cosy, all-Suite hotel located in one of the best locations in Tel-Aviv. Man...
The stone building was constructed in the beginning of the previous century as a luxury...
 

 VideoSideVWP

 
 

 RelevantArticle

 
 

 Events In Area

 
 

 Untitled

 
Descubra Israel